Análise da Produção Científica sobre política de informação no Brasil na plataforma Lattes

Naiara Vieira Silva Ivo, Christine Martins de Matos, Adilson Luiz Pinto, Thiago Magela Rodrigues Dias, Carlos Luis González-Valiente

Resumen


Objetivo: A Plataforma Lattes é um relevante sistema de informação curricular que agrega todos os tipos de informação que a ciência e a tecnologia brasileira produzem. Portanto, o objetivo desta pesquisa é identificar a produção intelectual dos pesquisadores cadastrados na Plataforma Lattes que autodeclararam desenvolver seus estudos sobre o tema política de informação. Projeto / Metodologia / Abordagem: O estudo se caracteriza como exploratório, descritivo e quantitativo. Como procedimentos técnicos, em fevereiro de 2021, recorreu-se à pesquisa de currículos na Plataforma Lattes, por ser a maior fonte de informação para geração de indicadores científicos no Brasil,recuperando n=149 pesquisadores com dados completos extraídos pelo framework LattesDataXplorer. Paralelamente, realizou-se a pesquisa no Google Acadêmico, dos n=149 pesquisadores identificados, utilizando o software Publish or Perish, com a temporalidade de 2001 a 2020 para análise de impacto das produções. Resultados / discussão: A área de Ciência da Informação predomina sobre a temática, sendo que 49,26% de toda a produção tem autoria de 37 pesquisadores, dentro da elite de cientistas brasileiros que estuda sobre política informacional. Ressalta-se que tanto os eventos quanto os periódicos científicos mais citados endossam a pessoalidade também para a área. Tem evidência ainda quando a pauta se refere aos impactos das publicações, sendo as pesquisadoras Maria Inês Tomaél e Regina Maria Marteleto as mais produtivas e em termos de orientação, com 63,15% fazendo parte da elite de orientadores de mestrado e doutorado. Quanto à terminologia, 76 palavras compõem a primeira esfera por Lei de Zipf, sendo a palavra Ciência da Informação representada n=218 vezes. Conclusão: A temática “Política de Informação” é foco da Ciência da Informação evidenciada pela concentração e elite dos pesquisadores, bem como a predominância dos canais de comunicação e divulgação, não sobressaindo dentro das bases de dados, podendo ser limitação do idioma e a baixa capilaridade de periódicos multidisciplinares. Originalidade / Valor: Quando o aspecto é impacto dentro das bases de dados, o quadro se inverte, e os pesquisadores da Ciência da Informação não se destacam em relação a outras áreas.


 


Palabras clave


Política de Informação; Ciência da Informação; Produção científica; Plataforma Lattes; Brasil.

Texto completo:

PDF

Referencias


Ancib. Forúm de Coordenadores de Grupos de Trabalho da Ancib. (2021) 17 maio 2021. http://gtancib.fci.unb.br/

Araújo, C. A. A. (2010). 16 out. 2020. O conceito de informação na Ciência da Informação. Informação & Sociedade: Estudos, 20, 95-105. https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/6951/4808

Braman, S. (2004). 01 dez. 2020. The Emergent Global Information Policy Regime. In: Braman S. (eds) The Emergent Global Information Policy Regime. International Political Economy Series. Palgrave Macmillan, London. https://doi-org.ez46.periodicos.capes.gov.br/10.1057/9780230377684_2

Brasil (1996). Lei n. 9396 de 20 de dezembro de 1996, 10maio 2021.Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.Diário Oficial[da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília,DF, 23dez. 1996. Seção 1. p. 3. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Brito, A. G. C. de; Quoniam, L.; Mena-Chalco, J. P. (2016). 1 mar. 2021 Exploração da Plataforma Lattes por assunto: proposta de metodologia. TransInformação, 28(1), 77-86. DOI: 10.1590/2318-08892016002800006. https://www.scielo.br/pdf/tinf/v28n1/0103-3786-tinf-28-01-00077.pdf

Dias, T. M. R. (2016) Um estudo sobre a produção científica brasileira a partir de dados da Plataforma Lattes. 181f. (Tese de Doutorado em Modelagem Matemática e Computacional) 1 mar. 2021.- Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016. https://sig.cefetmg.br/sigaa/verArquivo?idArquivo=2033874&key=d8d1d2008e1ebe20f0f136527af3a222

Duff, A. S. (2004) The Past, Present, and Future of Information Policy. Information, Communication & Society, 7:1, 69-87, https://DOI:10.1080/1369118042000208906

Ferrazza, A. C.; Pinto, A. L. (2017). Métodos quantitativos aplicados à Biblioteconomia e à Documentação. 1. ed. Chapecó: Argos.

González de Gómez M. N. (2003). As relações entre ciência, Estado e sociedade: um domínio de visibilidade para as questões da informação.Ciência Da Informação,32(1). DOI: 10.18225/ci.inf..v32i1.1020. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/1020. Acesso em: 07 dez. 2020.

Harzing, AW. (2007). Publish or Perish. Disponível em: https://harzing.com/resources/publish-or-perish. Acesso em: 07 mar. 2021.

Jardim, J. M.; Silva, S. C. de A.Nharreluga, R. S. (2009). Análise de Políticas Públicas: uma abordagem em direção às políticas públicas de informação. Perspectivas em Ciência da Informação, 14(1), 2-22. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/743. Acesso em: 10 dez. 2020.

Lattes. História do surgimento da Plataforma Lattes, 2021a. Disponível em: http://memoria.cnpq.br/web/portal-lattes/historico. Acesso em: 2 mar. 2021.

Lattes. Buscar Currículo Lattes, 2021b. Disponível em: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/busca.do?metodo=apresentar . Acesso em: 2 mar. 2021.

Marques, K. C. (2010) A plataforma Lattes e a organização da informação. Revista Gestão e Planejamento, 11 (2), 250-266. Disponível em: https://revistas.unifacs.br/index.php/rgb/article/viewFile/791/961. Acesso em: 28 mar. 2021.

Muir, A.,Oppenheim, C. (2017), Nick Moore, his information policy matrix, with a bibliometric analysis, Library Management, 38(8/9), 394-403. Disponível em: https://doi.org/10.1108/LM-02-2017-0027. Acesso em: 15 abr. 2021.

Pasek, J. E. (2015). Definindo Política de Informação: Relacionando Questões ao Ciclo de Informação. New Review of Academic Librarianship, 21(3), 286–303. Disponível em: https://doi.org/10.1080/13614533.2015.1009126. Acesso em: 14 abr. 2021.

Perovano, D. G. (2016). Manual de metodologia de pesquisa. Curitiba: Intersaberes.

Pinheiro, M. M. K. (2010). Processo de transformação das políticas de informação no Estado informacional. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia, 5(1), 113-126. Disponível em: https://revistas.ancib.org/index.php/tpbci/article/view/181/181. Acesso em: 08 dez. 2020.

Price, D. de S. (1963). Litle science, big science. New York: Columbia University Press, 1963.

Rowlands, I., Eisenschitz, T., & Bawden, D. (2002). Frame analysis as a tool for understanding information policy. Journal of Information Science, 28(1), 31–38. https://doi.org/10.1177 / 016555150202800104. Acesso em: 09 dez. 2020.

Rowlands, I. (1999). Patterns of Scholarly Communication in Information Policy: A Bibliometric Study. Libri, 49(2), 59-70. https://doi.org/10.1515/libr.1999.49.2.59 Acesso em: 12 de maio 2021.

Silva, T. E. da; Eirão, T. G.(2019). Mapeamento e tendências do GT5 do Enancib: um estudo dos trabalhos apresentados de 2011 a 2018. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 20, Florianópolis. Anais.... Florianópolis: ANCIB. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/122761 . Acesso em: 08 jan. 2021.

Silva, T. E. da; Pinheiro, M. M. K. Políticas de Informação no âmbito do Enancib (2011). In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 12. Brasília, Anais... Brasília: ANCIB. Disponível em: http://repositorios.questoesemrede.uff.br/repositorios/bitstream/handle/123456789/1703/Pol%C3%ADticas%20-%20Silva.pdf?sequence=1 Acesso em: 24 jan. 2021.

Silva, T. E. da; Tomaél, M. I.(2009). Política de informação: tendências internacionais. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 10, João Pessoa. Anais... João Pessoa: ANCIB. Disponível em: http://repositorios.questoesemrede.uff.br/repositorios/handle/123456789/174?show=full Acesso em: 24 jan. 2021.

Yusof, Z. M.; Basri, M.; Zin, N. A. M. (2010). Classification of issues underlying the development of information policy.Information Development, 26(3), 204-213. Disponível em: https://doi.org/10.1177/0266666910368218. Acesso em: 29 jan. 2021.

Zipf, George K. (1949). Human Behavior and the Principle of Least Effort. Addison-Wesley.




Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

 Revista indizada en: Scopus, Web of Science (Emerging Sources Citation Index), DIALNET, EBSCO (Academic Search Complete, 
Academic Search Premier, Academic Search Ultimate, Fuente Académica Plus), PROQUEST (Library and Information Science
Abstracts, Library Science), REDIB, CLASE, BIBLAT, INFOBILA, Ulrichs Web, Latindex, DOAJ, Index Copernicus, JournalsTOC,
ERIH Plus, E-LIS, MIAR, e-Libros, BASE,
Google Scholar, y otros.


                           Redes Sociales
 
              
  
Indicadores de impacto según Google Scholar:
Índice h: 8; Índice i10: 3
Revista certificada por el CITMA

 

           Revista. Bibliotecas. Anales de investigación by Biblioteca Nacional de Cuba José Martí is licensed under aCreative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional License.  

Creado a partir de la obra en anales.bnjm.cu

 ISSN: 0006-176X, EISSN: 1683-8947   
                               Licencia de Creative Commons